News

  A The Coalition anunciou que está a trabalhar em diversos projetos com o Unreal Engine 5. Sem confirmar que está a trabalhar em Gears 6 ou...

 A The Coalition anunciou que está a trabalhar em diversos projetos com o Unreal Engine 5.

Sem confirmar que está a trabalhar em Gears 6 ou numa nova propriedade intelectual, a The Coalition anunciou que começou a desenvolver "múltiplos novos projetos para os próximos anos" com o Unreal Engine 5.

Após a Ninja Theory, a The Coalition torna-se num segundo estúdio da Xbox Game Studios a passar para o motor da Epic Games no desenvolvimento dos seus projetos.

Num momento em que os rumores falam no anúncio de Gears 6 na E3 2021, a The Coalition confirma que está a trabalhar em diversos projetos, mas por enquanto ainda não comentou oficialmente um novo Gears.

Gostarias de ter Gears 6 ou Gears 2 remake?

  Biomutant é um novo Action RPG em mundo aberto que despertou imensa curiosidade ao longo dos últimos anos e dentro de semanas poderás fina...

 Biomutant é um novo Action RPG em mundo aberto que despertou imensa curiosidade ao longo dos últimos anos e dentro de semanas poderás finalmente descobrir se a espera valeu a pena.

Stefan Ljungqvist, diretor no Experiment 101, falou com o Gamingbolt do que esperar de Biomutant e sobre a longevidade do jogo, revelando que tudo depende do estilo de jogador que és. Segundo diz, Biomutant pode ser terminado em 12 horas se o jogares à pressa, mas poderá durar mais de 65 horas se quiseres fazer tudo o que o jogo tem para oferecer.

"A nossa estimativa é que uma sessão a correr dura cerca de 12 a 15 horas. Isto significa que o foco está na história principal, avançar a maioria dos diálogos, não vaguear e explorar e ignorar as sidequests," diz Stefan.

"Pelo outro lado, um dos membros da equipa está a jogar Biomutant da forma que normalmente joga os jogos. Ele ainda não terminou e já tem 65 horas de jogo. Por isso, depende do tipo de jogador que és."

Biomutant chegará às lojas a 25 de Maio.

 Resident Evil Village, Final Fantasy, The Legend of Zelda, God of War, Horizon Forbidden West. Confira abaixo tudo sobre os jogos mais espe...

 Resident Evil Village, Final Fantasy, The Legend of Zelda, God of War, Horizon Forbidden West. Confira abaixo tudo sobre os jogos mais esperados de 2021

O universo gamer se especializou de uma maneira incrível nos últimos anos. Se jogar videogame era uma diversão de crianças quando os consoles com cartucho removível surgiram, na década de 1980, com o passar dos anos, o passatempo conquistou todas as idades e a indústria se profissionalizou.

De lá pra cá, foram lançados diversos consoles e a indústria de games cresceu de forma vertiginosa, alcançando um mercado cada vez maior e mais promissor.

Com a chegada da pandemia e da necessidade de ficar em casa, a indústria de games cresceu 140%, só no ano de 2020, e os jogos de videogame se tornaram um dos melhores entretenimentos durante o isolamento social. Por isso, preparamos para você uma lista com os 5 principais lançamentos de 2021, que você pode comprar com um cupom Ponto Frio com descontos especiais, e ainda aproveitar a oferta para adquirir as novidades em consoles, seja XBox, PS5 ou Nintendo.

Conheça os jogos mais esperados de 2021

Se 2020 representou um ano de aceleração da indústria gamer, com grandes vendas não só de consoles, cadeiras gamers e headset para jogos, 2021 é o ano aguardado para a chegada das novidades em termos de jogos para Xbox, PlayStation ou Nintendo.




Confira os lançamentos de jogos que vem aí e prepare-se para as novas batalhas e aventuras.


Resident Evil Village

Continuando a saga de 2017, de Ethan Winters em Resident Evil 7: Biohazard, o lançamento de survivor horror da Capcom chega cheio de novidades, com personagens novos e acontecimentos inesperados que vão desestabilizar Ethan e sua esposa, Mia.




O lançamento de Resident Evil Village está previsto para 7 de maio deste ano e o game roda nas seguintes plataformas e consoles: Microsoft Windows, PlayStation 4 e 5, XBox One e Series X.


Final Fantasy VII remake integrade


Final Fantasy VII Remake Integrade, desenvolvido pela Square Enix, é um jogo que vem na linha do sucesso de Final Fantasy VII, lançado em 1997 para PlayStation. A história de Cloud Strife pela cidade de Midgar combatendo a poderosa corporação Shinra em sua missão de destruir o planeta é uma continuação, em universo expandido, do jogo que fez sucesso há cerca de 15 anos.



Lançado no final de 2020, Final Fantasy VII Remake Integrade é um dos jogos para PS5 mais aguardados pelos fãs da saga. Para quem se interessar, o jogo também roda em PS4.

The Legend of Zelda: Skyward Sword HD

Produzido pela Nintendo, The Legend of Zelda: Skyward Sword é um jogo de ação que faz sucesso entre os gamers desde há mais de 10 anos. Com um enredo que envolve uma mitologia única e aventura, The Legend of Zelda tem mais de 15 jogos na franquia.




Agora, a versão em HD está prevista para ser lançada em 16 de julho deste ano e os fãs de jogos para Nintendo já aguardam ansiosamente para dar continuidade à saga de Link para proteger Zelda.

God of War: Ragnarök

God of War é uma franquia de jogos da Sony Interactive Entertainment que tem em seu enredo uma guerra entre os deuses nórdicos. Com a primeira versão lançada em 2005, a saga da disputa entre os deuses vem ganhando novos caminhos. Desde 2019 a equipe de desenvolvimento de God of War solta teasers de que "Ragnarök está chegando".




Ragnarök, na mitologia nórdica, é uma sequência de eventos que causa a morte dos deuses e o fim dos tempos. Há especulações de que o nome de God of War: Ragnarök, o nono da franquia, e que está previsto para ser lançado no final de 2021, seja compatível com PS5 e, muito provavelmente, também com PS4.

Horizon Forbidden West

O jogo de ação Horizon Forbidden West, desenvolvido pela Guerrilla Games e Sony Interactive Entertainment, é a sequência do sucesso de 2017, Horizon Zero Down, que conta a história Aloy, tentando sobreviver em um mundo pós-apocalíptico.




Agora, Aloy corre contra o  tempo para salvar o mundo, que está prestes a ser extinto. Ela precisa descobrir o que está por trás do colapso iminente e terá grandes revelações. Disponível para PS4 e PS5, o novo desafio de Aloy para desbravar o Oeste proibido está previsto para ser lançado em 2021.

Agora que você já tem cinco boas opções de companhia para os momentos de ficar em casa, é só preparar suas armas, chamar os amigos e se divertir on-line com os lançamentos de 2021.

  A Kadokawa Corp. não confirmou ainda uma previsão oficial de lançamento para Elden Ring, mas numa recente conferência com os investidores ...

 A Kadokawa Corp. não confirmou ainda uma previsão oficial de lançamento para Elden Ring, mas numa recente conferência com os investidores sugeriu que o título da From Software não chegará neste ano fiscal.



Isto significa que a dona da From Software, aclamado estúdio conhecido por Dark Souls e Sekiro, não colocará o seu novo projeto nas lojas antes de 31 de Março de 2022, deixando-o como um título do próximo ano fiscal da Kadokawa.

Os documentos, compartilhados pelo Dualshockers, não listam o grande lançamento mundial para os próximos meses, algo que poderá mudar ou permanecer por revelar propositadamente, mas certamente seria uma mensagem altamente positiva informar os investidores que Elden Ring está a chegar.

A Kadokawa poderá atualizar a sua previsão nos próximos meses, quando apresentar uma nova análise trimestral às finanças, mas por enquanto não informa os seus investidores da possibilidade de ter Elden Ring pronto antes de 31 de Março de 2022.

A E3 2021 está a chegar e esperamos ter, pelo menos, um trailer de Elden Ring.

  A Sony Interactive Entertainment submeteu uma patente, agora descoberta, que volta a insistir numa temática sobre a qual já vimos informaç...

 A Sony Interactive Entertainment submeteu uma patente, agora descoberta, que volta a insistir numa temática sobre a qual já vimos informações que indicam tratar-se de um foco para a companhia, a forma como a dificuldade interfere com a diversão e interesse dos jogadores por um jogo, especialmente com os singleplayers pelos quais ficou conhecida.



Esta patente, que poderá não resultar em nada, convém salientar, mostra que a SIE estudou um sistema de dificuldade dinâmica, ajustada automaticamente pela inteligência artificial de acordo com a tua performance no jogo.

Apesar de muitos jogos permitirem mudar a dificuldade a meio, outros jogos não te permitem sequer escolher um nível de dificuldade e esta patente da Sony explora a possibilidade de analisar dados do jogador para afinar a dificuldade. O exemplo poderá ser um boss que está a representar um desafio demasiado elevado para o jogador, que após diversas tentativas começa a ficar frustrado e em risco de deixar o jogo.

O sistema analisaria o teu comportamento e decidiria de forma dinâmica ajustar a dificuldade, reduzindo-a ou, no sentido inverso, aumentando-a se deteta-se que a tua performance está a ser tão boa que não quer dar a ideia de uma experiência banal.

Este é um sistema, explorado nesta patente, apresentado como opcional e não deturparia a experiência de jogo se não o quiseres usar. Isto parece uma versão dinâmica do sistema de Tiers vistos em jogos como Outriders, que te permitia aceder ao menu e ajustar a dificuldade, o que afetava até o comportamento dos inimigos, como os golpes que usam, e não apenas o dano que recebem e causam.

Como vocês sabem,  a  E3 2021 digital acontecerá  de 12 a 15 de junho  .  Até agora, a Square Enix não foi um participante oficial, mas feli...

Como vocês sabem, a E3 2021 digital acontecerá de 12 a 15 de junho . Até agora, a Square Enix não foi um participante oficial, mas felizmente isso não significa que não tenha planos. Em entrevista ao Nikkei, o CEO da Square Enix, Yosuke Matsuda, disse que vários anúncios estão planejados para o período da feira. Ainda não está claro se isso será feito no programa oficial da E3. No entanto, uma vez que apenas a rota de vídeo permanece, de qualquer forma, o formato Square Enix Presents é definitivamente uma boa escolha .



Até a E3 2021, entretanto, a Square Enix ainda terá NieR Replicant ver.1.22474487139 ... e Final Fantasy VII Remake Intergrade . Legend of Mana e NEO: The World Ends With You virão no final do verão, Life is Strange: True Colors em setembro Também anunciados são Babylon's Fall , Forspoken , Final Fantasy XVI , Project Triangle Strategy e um total de três jogos para Dragon Quest: The Adventure of Dai . Falando nisso: Dragon Quest XII também é devido, certo?

Definitivamente, podemos esperar a aparência E3-2021 da Square Enix. Quais são suas expectativas

via Nikkei , @aitaikimochi (Twitter)

  A Konami  anunciou  que pulará a E3 em 2021.  Isso me surpreende, pois no início de abril você foi um dos  primeiros participantes confirm...

 A Konami anunciou que pulará a E3 em 2021. Isso me surpreende, pois no início de abril você foi um dos primeiros participantes confirmados da feira. Portanto, os planos mudaram nos últimos dias.



A nova comunicação refere-se vagamente a questões de tempo. Além disso, você também garante que está trabalhando em alguns projetos importantes, para os quais haverá mais detalhes nos próximos meses. Eles são aparentemente grandes o suficiente para serem exibidos em um E3.

No que a Konami está trabalhando - e poderia trabalhar

Recentemente, a Konami anunciou GetsuFumaDen: Undying Moon, um jogo de ação 2D do Roguevania que à primeira vista tem muito potencial. Sempre há um novo Silent Hill no boato , que será criado pela Bloober Team. Um desenvolvedor japonês também está trabalhando em outro projeto de Silent Hill, que deveria ter sido revelado neste verão. Recentemente, também houve atividades na Zone of the Enders e Castlevania, bem como Metal Gear Rising .

Mas voltando aos projetos que existem oficialmente. Por exemplo, há um RPG de ação em terceira pessoa para consoles não especificados baseado em Edens Zero , que foi revelado no Tokyo Game Show 2020 . Talvez Programa Solomon de RPG de estratégia tenha uma chance de chegar ao Ocidente também?

Imagens: Konami

  A Capcom anunciou mais uma transmissão dedicada a Resident Evil Village. O próximo jogo da série Resident Evil está quase a chegar e para ...

 A Capcom anunciou mais uma transmissão dedicada a Resident Evil Village.

O próximo jogo da série Resident Evil está quase a chegar e para comemorar o lançamento, a companhia japonesa anunciou que apresentará uma transmissão com convidados japoneses.



Após o lançamento de duas demos em horários confusos e rotativos, a Capcom está pronta para permitir que os jogadores iniciem a jornada e seja perseguidos por Lady Dimitrescu.

Será a 7 de Maio, às 12h em Lisboa e 8h em Brasília, que a transmissão terá início, mas a Capcom ainda não confirmou se apresentará gameplay inédito ou se revelará novidades sobre o apoio pós-lançamento.

Se estiveres interessado, guarda esta página e acompanha a transmissão aqui:

  A Sony Interactive Entertainment e a Insomniac Games revelaram mais de 16 minutos de novo gameplay de Ratchet and Clank: Rift Apart, que s...

 A Sony Interactive Entertainment e a Insomniac Games revelaram mais de 16 minutos de novo gameplay de Ratchet and Clank: Rift Apart, que será lançado a 11 de Junho de 2021 para a PlayStation 5.




Durante a State of Play, a Insomniac revelou novas cenas e mundos que Ratchet, Clank e Rivet vão visitar em Rift Apart, o primeiro jogo da série desenvolvido a pensar na PS5, algo que é percetível de imediato na sensacional qualidade gráfica, que o aproxima de um filme da Pixar, nos loadings praticamente instantâneos dos níveis e no uso das funcionalidades do DualSense.

Além de visuais de deixar cair o queixo, este novo gameplay mostra como a PS5 permite elevar para um novo patamar a experiência Ratchet and Clank, com transição instantânea entre níveis a meio do gameplay numa escala nunca antes vista.

Como seria de esperar, o jogo estará repleto de momentos de humor e armas surreais, características dos jogos da Insomniac Games e que não poderiam ficar de fora deste novo Rift Apart.

Hoje é dia de nova State of Play. A PlayStation preparou uma nova transmissão em direto, durante a qual poderás assistir a novo gameplay de ...

Hoje é dia de nova State of Play.




A PlayStation preparou uma nova transmissão em direto, durante a qual poderás assistir a novo gameplay de Rivet & Clank: Rift Apart, o novo empolgante jogo da Insomniac Games, juntamente com novidades de dois indies cujo nome ainda não foi partilhado.

A Insomniac Games revelou recentemente o nome da Lombax fêmea que vimos no trailer de revelação do seu novo jogo PlayStation 5 e após um pequeno excerto, terás finalmente a oportunidade para ver 15 minutos de gameplay que desafiará a perceção que temos do que é um loading.

Através desta página, podes assistir à nova State of Play, a partir das 22h de Lisboa e 18h de Brasília.



  Na passada década o género dos roguelikes esteve sempre muito associado aos estúdios independentes e pequenas produtoras, mas tem registad...

 Na passada década o género dos roguelikes esteve sempre muito associado aos estúdios independentes e pequenas produtoras, mas tem registado uma evolução surpreendente. A minha primeira experiência com um jogo deste género foi com a versão original de The Bindind of Isaac, mas desde então que os roguelikes se foram tornando mais comuns, refinados e explorando diferentes conceitos. Uma prova desta evolução é Hades da Supergiant Games. Os prémios de Game of the Year estão longe de ser unânimes, mas o roguelike baseado na mitologia grega já soma uma quantidade respeitável destes prémios, o que é impressionante se pensarmos que foi lançado no mesmo ano que The Last of Us: Parte II, Ghost of Tsushima e Animal Crossing: New Horizons.



Se até agora este género sempre esteve associado a pequenas / médias produções, o que acontece quando se desenvolve um roguelike de qualidade AAA? A Housemarque é o primeiro estúdio do mundo a realizar esse teste. Returnal é uma ambiciosa aposta da Sony e do estúdio finlandês, pegando num género de nicho para o levar para as massas. Quando se fala em exclusivos PlayStation, os primeiros nomes a surgir são títulos como God of War, Uncharted, The Last of Us, Spider-Man e Horizon: Zero Dawn. Returnal é um jogo completamente diferente do que a audiência PlayStation está habituada, conseguindo ser tão ou mais impiedoso do que Bloodborne (ou qualquer jogo da saga Souls).

Morreste? Recomeça do princípio

Um moderado ou elevado nível de desafio já é intrínseco ao próprio género. Se nunca jogaste um roguelike, sempre que morres regressas ao início do jogo, ou seja, precisas de chegar ao fim sem morrer. Returnal não foge a esta regra. A ideia é que o jogador vai melhorar a sua habilidade em cada tentativa, mas também existe um factor de sorte associado: as diferentes salas e distribuição de itens são aleatórias. Nunca sabes o que vais encontrar na tentativa seguinte. A habilidade do jogador é um factor importante, mas os itens também o são, havendo tentativas em que sofres mais do que outras.

Para quem já jogou algum Roguelike, Returnal será uma experiência de familiarização rápida. Existem diferentes categorias de itens, nomeadamente aqueles que são consumíveis (e que desaparecem depois da utilização), os artefatos, que garantem benefícios durante aquela tentativa (ou seja, desaparecem quando morres), e por fim os parasitas, umas criaturas tipo Facehugger (da saga Alien) que se agarram ao corpo de Selene e lhe garantem um benefício e um malefício. No início, Selene começa sempre com uma pistola básica, mas pode encontrar armas mais poderosas como caçadeiras, metralhadoras e outros tipos mais bizarros de armas (incluindo uma em que as balas ficam agarradas ao inimigo e dão choques durante algum tempo).

"Se nunca jogaste um roguelike, sempre que morres regressas ao início do jogo, ou seja, precisas de chegar ao fim sem morrer"

Um sistema interessante, e que recompensa a exploração de todas as salas, é a proficiência. A barra de proficiência começa sempre a zero, e vai aumentado à medida que derrotas inimigos. À medida que o nível da barra for subindo (nível 1, nível 2, nível 3 e por aí fora) é garantindo que a próxima arma que encontrares vai ter o nível correspondente à tua barra de proficiência (mas também pode ser mais elevado, embora nunca inferior). No geral, quanto maior for o nível da arma, melhor, se bem que nem sempre é assim devido aos perks associados à arma e ao disparo alternativo (que também são aleatórios, como muitas coisas no jogo).

Um roguelike que mantém o estilo da Housemarque

Um jogo difícil tem que ter uma jogabilidade polida, responsiva, sem espaço para falhas técnicas que possam comprometer o jogador. Returnal segue o ADN arcade da Housemarque na sua jogabilidade. É rápido, frenético, explosivo! Na prática, funciona como um jogo de tiros na terceira pessoa, mas claramente influenciado pelos shoot'em up. Os padrões de disparos dos inimigos expandem-se em grandes áreas, obrigando-te a ter excelentes reflexos (ou então a utilizar as barreiras naturais do cenário) para escapares a uma chuva de projéteis. Há inimigos mais tramados do que outros, mas a regra geral é que o jogo vai ficando cada vez mais complicado. Cada nova área (biomas) introduz novos tipos de inimigos com novos padrões de comportamentos e de disparos de projéteis.

returnal_review
Pornografia de tentáculos

A jogabilidade resume-se a três coisas: disparar, saltar e impulsionar-te para a frente (dash). Todas as armas tem dois modos de disparo: o normal (R2) e um modo mais poderoso (L2), que precisa de um tempo para ser recarregado depois de utilizado. O L1 está dedicado aos consumíveis, que podem ter efeitos como restaurar a vida, transformar os teus saltos em explosões, converter os projéteis inimigos em Obolitos (que podem ser trocados por itens em certas salas), entre outras coisas. Não existe um botão para recarregar a arma no sentido tradicional. O carregador vai-se enchendo se não atingires um certo limite, mas atingido o limite, precisas de carregar no R2 no momento certo para fazer um recarrega mento rápido (tipo Gears of War).

"É rápido, frenético, explosivo! Na prática, funciona como um jogo de tiros na terceira pessoa, mas claramente influenciado pelos shoot'em up"

Seja o que estiver a acontecer no ecrã, vais sentir uma replicação no Dualsense através do feedback háptico. É a melhor (e mais intensa) implementação desta funcionalidade que já experimentei até agora. O feedback háptico até funciona para sentires quando tens de carregar no R2 para recarregar a arma, por exemplo. Quanto aos gatilhos adaptativos, existe um entrave a meio do L2. Este gatilho serve para apontar a arma com maior precisão, mas se pressionares a fundo, ativas o disparo alternativo. No papel, pode parecer que este sistema vai causar disparos alternativos acidentais, mas na prática nunca me aconteceu porque sentes realmente uma resistência do L2.

Um planeta hostil, em que só os melhores vão conseguir escapar

Returnal decorre em Átropos, um planeta hostil que prende Selene num ciclo constante de vida e morte. A própria história do jogo está emaranhada no modo de funcionamento de um roguelike. Ao explorarmos as salas aleatoriamente ordenadas de Átropos vamos encontrando os cadáveres de Selene, resultantes de outras tentativas falhadas. Se jogarem ligados à Internet, também vão encontrar os cadáveres de outros jogadores, que podem escolher vingar (enfrentando um inimigo difícil) para ganhar recursos extra. Os recursos extra podem parecer aliciantes, mas tens que levar em conta se o risco vale a pena. Returnal é um jogo muito difícil e podes morrer muito rapidamente. No início disse que é mais impiedoso do que Bloodborne ou qualquer jogo da From Software - não é que sejam jogos equiparáveis, são completamente diferentes - mas isto serve para te dar uma ideia do desafio que vais encontrar aqui.

As melhorias que podes desbloquear para o fato de astronauta de Selene não a tornam propriamente mais poderosa. Podes desbloquear espaço para mais consumíveis (neste momento tenho três espaços, inicialmente apenas tinha um) e itens permanentes que te permitem explorar áreas que inicialmente não conseguias. Depois, existem chaves de atalho para outras áreas - e só recebes estas chaves depois de derrotares o boss da área anterior. O jogo é altamente dependente da tua habilidade, e a forma de aumentar a tua barra de vida em cada tentativa mostra precisamente isso. Se a tua barra de vida estiver cheia, todos os itens de saúde que encontrares preenchem uma de três barras à esquerda da barra de vida: quando preencheres os três espaços, a tua barra de vida aumenta permanentemente durante aquela tentativa (quando morreres, volta ao estado normal). Se a tua vida não estiver cheia, nem todos os itens de saúde aumentam aquelas três barras. A maioria vai simplesmente restaurar a tua barra de vida. Por outras palavras, o jogo recompensa aqueles que conseguirem passar salas inteiras sem sofrerem um único golpe (não é fácil, acreditem).

"O jogo é altamente dependente da tua habilidade"

Pelo que percebi, para chegares ao verdadeiro final tens que passar o jogo pelo menos duas vezes. Na segunda ronda, a dificuldade aumenta bastante. Consegui passar a primeira vez sem muitos entraves, mas depois de 20 horas, ainda não consegui terminar pela segunda vez, apesar das muitas tentativas. Há que sublinhar que, diferente de outros roguelikes, cada tentativa de Returnal pode prolongar-se bastante. Da primeira vez que passei o jogo estive a jogar umas quatro ou cinco horas seguidas! O jogo peca por não ter um sistema de gravação, a única forma de garantir que preservas o teu progresso a meio de uma tentativa é colocar a consola em modo repouso. É uma funcionalidades simples, mas muito útil e que existe em outros roguelikes. Resta esperar que seja eventualmente adicionada.

Avarias no fato, itens malignos e uma economia difícil de gerir

Eu não disse que este era um planeta hostil? Não é propriamente seguro apanhar todos os itens que encontras. Quanto mais progredires, maior será a probabilidade de encontrares itens malignos. Os itens malignos têm uma probabilidade moderada ou elevada (depende) de causar uma avaria no fato se não forem purificados com éter. O problema é que o éter é um recurso um tanto raro e que serve para outras coisas, como desbloquear novos itens (inserindo éter num terminal de interação na área inicial, onde está despenhada a tua nave) e até salvar-te da morte se ofereces éter suficiente numa plataforma de tecnologia alienígena. O risco está sempre presente em Returnal e a sua economia é extremamente difícil de gerir (ainda mais na segunda parte). Podes claro optar por apanhar itens malignos, mas quando o teu fato acumula avarias, os artefatos (que são itens que te concedem vantagens) vão sendo destruídos. Para corrigires as avarias tens que encontrar um consumível com esse efeito ou cumprir certas condições.

"Quanto mais progredires, maior será a probabilidade de encontrares itens malignos"

Returnal é um desafio constante. Nunca te vais sentir poderoso, nem confiante. Não é definitivamente uma experiência para desfrutar casualmente. Acho que é importante sublinhar isto. A progressão é difícil e podes sentir que a aleatoriedade é um estalo na tua cara. Se estás prestes a morrer e achas que na próxima sala vais encontrar um item para recuperar a vida, desengana-te: provavelmente não vai acontecer. Há que ter paciência, ainda mais quando podes facilmente perder uma ou duas horas a jogar, apenas para voltar ao início praticamente de mãos a abanar. Returnal é um jogo difícil até dentro dos padrões dos roguelikes. Os jogos da Housemarque sempre foram desafiantes, mas este cruzamento com o género Roguelike supera qualquer coisa que já tenha jogado. Acho que é um dos jogos mais difíceis que já joguei.

Como é contada a história?

A história de Returnal progride de forma irregular. Uma das salas que eventualmente encontras em Átropos tem uma casa, que às vezes tem a porta desbloqueada, outras vezes tem a porta bloqueada e não podes entrar. Quando podes entrar, a câmera troca para a primeira pessoa e permite-te interagir com diferentes objetos da casa. Cada visita à casa é diferente, com acontecimentos cada vez mais bizarros. Selene tem visões de um astronauta e de uma criatura gigante com tentáculos. A história não é direta, é enigmática e, francamente, ainda não juntei todas as peças (acredito que seja necessário terminar a segunda vez para perceber tudo). Há uma mistura de vários elementos do Dark Sci-Fi: criaturas estranhas (com muitos, muitos tentáculos!!), uma civilização extraterrestre que desapareceu (será que desapareceu mesmo?), viagens no tempo, e portais para outras áreas.

Apesar da existência de uma narrativa, não é propriamente o motivo principal para adquirir Returnal. Embora a narrativa seja um complemento interessante ao pacote, não é um daqueles jogos em que compras para desfrutar da história. Este é um jogo para quem gosta de ser desafiado. É um roguelike com grande orçamento e que por isso alcança coisas que os outros jogos do seu género não alcançam: uma qualidade visual de topo, com os melhores efeitos de partículas que vais testemunhar num jogo da PlayStation (até agora, pelo menos), áudio direcional estupendo (joga com headphones) e loadings que duram pouco mais de 1 segundo. A housemarque atingiu precisamente aquilo que desejada com Returnal: um roguelike de qualidade AAA, que preserva na jogabilidade o seu ADN arcade e desafiante. O único senão é que, parece-me, que muitos não vão estar preparados este nível de dificuldade.


Returnal é um jogo bastante diferente daquilo que habitualmente encontras no catálogo da PlayStation. É surpreendente que a Sony tenha investido em algo tão arriscado para o mercado das massas. Ainda que não seja perfeito, há muito para se gostar. E é um facto que quero sempre voltar ao jogo, apesar das coças repetidas. Do que joguei, parece-me que algumas armas precisam de ajustes e que as caçadeiras são de longe a melhor arma (mesmo às vezes estando a nível inferior). Também gostava que a câmera estivesse mais afastada da personagem (ainda que seja bonito ver o detalhado fato de Selene) porque quando estás de costas é impossível reagir a tempo aos muitos padrões das chuvas de balas. Quanto à escassez de Éter, parece-me que a Housemarque quer encorajar-te a participar no desafio diário (que tem parâmetros pré-definidos). A recompensa por completares o desafio são 5 unidades de Éter. Além disso, o desafio diário é a única forma de te comparares com outros jogadores através da pontuação.

returnal_review_2
Os portais servem para viajar para outras zonas de Átropos. Geralmente, quando derrotas um boss recebes uma chave.

Se gostas de roguelikes, Returnal é um no-brainer. É uma combinação única de roguelike e jogos arcade com chuva de balas. O conceito da Housemarque era ambicioso e ultimamente conseguiram alcançar aquilo que pretendiam. Há qualidade, muita até, mas não é um jogo que recomende universalmente. Nem todos vão ter a paciência e perseverança para este jogo. Não quero assustar ninguém, apenas quero que compreendam a experiência para não se sentirem defraudados.


Prós:Contras:
  • Combinação única entre roguelike e inferno de balas
  • Extremamente desafiante
  • Atmosfera imersiva e altamente sensorial (graças ao Dualsense)
  • Um tributo ao Dark Sci-Fi, com história enigmática
  • Jogabilidade frenética, que recompensa bons reflexos
  • Ficas sempre com vontade de voltar
  • Efeitos visuais deliciosos, com explosões de partículas e tentáculos
  • Talvez difícil demais para alguns
  • Não dá para gravar progresso a meio de uma tentativa
  • Há falta de pequenos ajustes

Por Eurogamer

  Lost Soul Aside terá versão PlayStation 5. A Ultizero Games anunciou na PlayStation China Press Conference 2021 que Lost Soul Aside terá d...

 Lost Soul Aside terá versão PlayStation 5.

A Ultizero Games anunciou na PlayStation China Press Conference 2021 que Lost Soul Aside terá direito a versão PS5, que se junta assim à versão PS4, assegurada quando a Sony decidiu apoiar o jogo.

Lost Soul Aside começou como um projeto de um homem só e rapidamente começou a dar que falar em todo o mundo, o que chamou a atenção de companhias como a PlayStation e a Epic Games.

Desenvolvido com o Unreal Engine, o seu criador mereceu o apoio da Epic Games e financiamento do PlayStation, para que pudesse construir uma equipe e trabalhar no jogo até o terminar.

Por enquanto, não temos uma data para Lost Soul Aside, mas temos um trailer gameplay: